OSTRAS E MARISCOS DE BOMBINHAS ESTÃO LIVRES DE TOXINA

Homenagem ao Homem do Mar
1 de outubro de 2014
Pirão Cultural de Outubro
28 de outubro de 2014
Exibir tudo

OSTRAS E MARISCOS DE BOMBINHAS ESTÃO LIVRES DE TOXINA

A Secretaria de Saúde e a Secretaria da Pesca, informam que está liberada a retirada, a comercialização e o consumo de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões das áreas do Zimbros e Canto Grande, conforme Nota Técnica – GEDSA Nº 20/2014, emitida pela Companhia Integrada de desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – Cidasc, no dia 14 de outubro.

Foram realizados exames laboratoriais que comprovaram que os cultivos de moluscos bivalves estão livres da toxina diarreica, provocados pela toxina DSP. Mas o monitoramento das áreas de produção dos moluscos continuará sendo realizada e caso ocorra alguma mudança será emitido novo comunicado. A mesma nota informa a manutenção da proibição no município de Porto Belo.

Histórico da Toxina

Desde o dia 22 de agosto, a Secretaria da Agricultura e a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina monitora e interdita as localidades contaminadas pela toxina. Ela é produzida por algumas espécies de microalgas que vivem na água, chamadas de Dinophysis, e quando acumuladas por organismos filtradores, como ostras e mexilhões, podem causar um quadro de intoxicação nos consumidores. Uma das explicações para o fenômeno são as condições ambientais favoráveis para a proliferação dessas algas: maior incidência solar, pouca agitação marinha e baixa salinidade da água do mar.

A suspensão da interdição acontece após dois laudos laboratoriais consecutivos comprovarem que não há mais a presença da DSP nem na água, nem nos moluscos. Os exames são realizados pelo Laboratório Oficial de Análise de Resíduos e Contaminantes em Recursos Pesqueiros – LAQUA-Itajaí-IFSC, a partir de amostras colhidas pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – Cidasc.

Os sintomas causados pela DSP são diarreia, náuseas, vômitos e dores abdominais e se manifestam em poucas horas após a ingestão de moluscos contaminados. A recuperação do paciente se dá entre dois e três dias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×